Unhas curtas e cabelos sem tingir: Hickmann fala do isolamento

Apresentadora dá dicas de moda e como cuidar dos cabelos em casa

Rosângela Espinossi
Publicado em

 

Ana Hickmann (Foto: Reprodução/Instagram/@ahickmann)

Ana Hickmann (Foto: Reprodução/Instagram/@ahickmann)

Ana Hickmann tem lavado roupa, trabalhado na cozinha de sua casa, feito sua própria unha e cuidado de seus cabelos sem a ajuda de ninguém. A apresentadora da Record, que se reveza com a equipe a bancada do programa “Hoje em Dia”, mostrou seu lado gente como a gente durante Live com o “Elas no Tapete vermelho”. Falou como tem passado a quarentena, deu conselhos de moda e de beleza, e contou como foi o período de isolamento em que passou cinco dias trancada no quarto, quando estava com suspeita de ter Covid-19.

A loira não se ateve apenas a dicas de moda. Enfatizou também a importância do isolamento social para quem pode ficar em casa, e de tomar todos os cuidados possíveis quando é extremamente necessário sair. Confira abaixo trechos do bate-papo, que aconteceu nesta quinta-feira (16), no Instagram do “Elas”, do qual ela confessou ser seguidora assídua.

Semiquarentena

“Eu e meu marido estamos em semiquarentena. Continuamos a trabalhar por necessidade e responsabilidade, tomando todo o cuidado possível e fazendo muita coisa remotamente. No “Hoje em Dia”, que vai ao ar de segunda a sexta, ao vivo, estamos fazendo um revezamento. Assim, não sobrecarrega o espaço com muitas pessoas e é possível ter distanciamento seguro entre todos os colaboradores, para a televisão continuar oferecendo conteúdo, focado no jornalismo. É preciso dar informação para chegar às pessoas que ainda não entenderam que ainda que o distanciamento é uma coisa séria. Além disso, é importante que todos que necessitam sair tenham consciência de usar máscara e luva ao tomar transporte público, por exemplo, além de usar álcool gel. Mas também damos boas notícias.

Ana Hickmann (Foto: André Loretti/Divulgação)

Ana Hickmann (Foto: André Loretti/Divulgação)

Alfaiataria

“Não sou muito fashionista, meu estilo é mais clássico e contemporâneo. Sou apaixonada por alfaiataria desde quando cheguei a São Paulo. Não entendia nada de moda, mas conheci estilistas como Walter Rodrigues, Tufi Duek, na época da Forum, e Ricardo Almeida, que depois começou a fazer alfaiataria feminina. Peças cortadas como alfaiataria são atemporais e podem ser usadas por anos”.

Guarda-roupa

“Aproveitar este período para fazer uma limpeza no armário é muito importante. Revistar o guarda-roupa é ótimo, não só para criar looks diferentes, mas também para separar peças que não usa mais e dar para doação, como estou fazendo, ajudando uma instituição de Itu e outra, de Campinas, que trabalha com adoção de animais. Vou doar para os bazares que realizam”.

Minissaia e tricô

“Ano que vem faço 40 anos e vi que tinha um  monte de minissaias no armário que não uso mais, porque são peças que não cabem mais no meu momento. Achei também vários tricôs, que estavam escondidos e que vou usar, pois a temperatura está ficando propícia para isso. E outras roupas vou deixar também para minhas irmãs passarem por aqui e ver o que querem. A gente fica bem mais leve fazendo isso”.

Ana Hickmann (Foto: André Loretti/Divulgação)

Ana Hickmann (Foto: André Loretti/Divulgação)

Monocromia

“Amo monocromia também. A unidade de cores das peças e de todos os acessórios é sofisticada e a chance de errar no look é zero. Como não tem blocos de cor, o uso de uma cor só faz você se sentir mais alta e mais magra. É uma dieta da moda. Mesmo com a cor branca.”

Blazer

“Sou apaixonada por blazer. Estou adorando usar a peça com cinto por cima, estilo Balmain, porque acintura a silhueta. Usei no programa e vou começar a trazer para o dia a dia, quando puder saia. É ótima opção para home office.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Ana Hickmann (@ahickmann) em

Home Office

“Neste período de quarentena, é importante não achar que está de férias em casa. Muita gente trabalha remotamente. Por isso, se você não tirar o pijama do corpo, não vai perceber que acordou. É preciso ter uma rotina, colocar o relógio para despertar, tomar café da manhã. Não precisa colocar salto alto, mas deve pentear o cabelo, passar uma leve maquiagem. Faz bem para a autoestima.”

Cabelos

“Estou sentindo muita falta de cabeleireiro, manicure e esses cuidados todos. Tenho prática com algumas coisas, mas não em tudo. Sou loira natural, mas gosto de fazer as raízes para manter a cor. E não faço isso há mais de um mês. Fora que os cabelos brancos estão gritando. Faço coque para esconder”.

Vinagre, babosa e alecrim

“Recebi dicas bem legais do meu dermatologista Amilton Macedo e do Celso Kamura. Para os cabelos que estão muito pesados e oleosos, é preciso uma limpeza profunda. Para isso, o ideal e misturar chá de alecrim e vinagre de maçã. Passa nos fios no cabelo, deixa uns 10 minutos e depois tira com xampu. Já fiz e vou fazer esse fim de semana de novo. Tem outra dica que minha avó passou que é passar babosa (ou aloe vera). Eu tenho no meu quintal, mas é fácil achar nas feiras, que estão funcionando, desde que a pessoa vá com máscara e luva. Passe aquela parte viscosa da folha nos fios, deixar uns 10 minutos e tirar com xampu. É uma ótima hidratação”.

Ana Hickmann (Foto: André Loretti/Divulgação)

Ana Hickmann (Foto: André Loretti/Divulgação)

Unha

“Estou com saudades de fazer as unhas também. Nunca estive com elas tão curtas na minha vida. Adoro unhas compridas. No reality “Hair” (foto acima) sempre estava com as unhas diferentes. Mas agora que estou fazendo várias tarefas domésticas, como lavar louça – apesar da máquina a gente sempre acaba mexendo-, além da lavanderia e de cozinhar mais. Fora isso, optei por deixar as unhas mais curtas e não usar anéis e relógio, por uma questão de higiene. É muito mais fácil fazer a higienização com elas curtas. Mas não vejo a hora de voltar para a manicure”.

Filtro solar

“Mesmo em casa, é preciso passar filtro solar religiosamente. Eu tive melasma (mancha mais escura na pele) porque não usei corretamente o filtro. Fui viajar para o Ceará e não passei da forma certa. Quando voltei, vi que tinha uma mancha na testa. Agora está mais clara, porque fiz laser e por causa da maquiagem. O filtro deve ser repassado várias vezes por dia e não só pela manhã. Eu tenho usado bases com filtro solar e na hora de corrigir a maquiagem, é legal passar pó compacto com filtro para fazer uma barreira de proteção”.

Ana Hickmann (Fotos: Paulo Reis/Divulgação)

Ana Hickmann (Fotos: Paulo Reis/Divulgação)

Peruca

“Sempre gostei de me transformar para a TV e para as fotos. No fim do ano passado, comecei a adotar as perucas, ou as chamadas full lace, cujo acabamento parece que é o nosso cabelo mesmo. Muitas divas usam, como Jennifer Lopez e Beyoncé, no Brasil, Pablo Vittar e Luisa Sonza. Fiquei me perguntado como elas faziam isso. Eu tenho feito essas transformações com o Felipe Cavina. Usei muito no reality “Hair” e também em fotos. Acho ótimo usar as perucas principalmente quando as pessoas querem fazer uma modificação radical no visual, porque pode estragar o cabelo. Por exemplo, eu sempre quis ficar ruiva, mas nunca tive coragem. Aí a peruca ajuda”.

Pérolas

“Eu adoro pérolas também e vi no Oscar algumas estrelas usando. Pensei como poderia colocar no cabelo, pois algumas pérolas usadas para aplicar são retas na parte que serão coladas. Encontrei fitas com silicone e cola compradas em papelaria e deu certo. Fizemos a risca certinha e colamos em cima. Deu o tempo certo para usar no programa. Como não é uma cola forte, saiu sem arrancar os fios. E, para mim, não deu alergia. São alternativas que não fazem mal para a pele e a saúde.

Ana Hickmann (Foto: Divulgação/André Loretti)

Ana Hickmann (Foto: Divulgação/André Loretti)

Consumo consciente

“Depois que isso tudo passar, com certeza a forma de as pessoas consumirem vai se transformar. Tudo o que está acontecendo está fazendo a gente ver o que realmente é necessário comprar.  As pessoas vão olhar para o produto de outra forma. Será um olhar para o consumo mais humano, querendo saber de que forma o produto pode impactar de forma positiva na vida de outra pessoa, se vai durar mais ou não. O fast fashion vai continuar existindo, mas haverá mudanças. O atendimento ao cliente também deverá ser mais pessoal, mais carinhoso. Afinal, estamos todos muito carentes agora. O vendedor tem de olhar o cliente e já saber o que ele precisa. Vamos ter de usar a psicologia de compra”.

Suspeita de Covid-19

“Nunca fico doente, nunca tenho febre e estou sempre pronta e cuidando de todo mundo em casa. Mas logo no começo da quarentena, comecei a ter tosse. Como tenho rinite,estava tranquila. Mas depois tive febre, calafrios, dor no corpo inteiro. Aí veio o pânico. Liguei para o médico, que me acalmou, mas pediu para não ir ao hospital, porque havia, como ainda há, falta de testes. Resolvi me trancar no quarto, porque moro com duas pessoas da terceira idade, além do meu marido, que tem baixa imunidade. Ele me deixava a comida na porta do quarto. Meu filho, quando me viu a primeira vez de máscara, perguntou o que eu tinha e quem ia cuidar de mim. Depois de um tempo, comecei a ter falta de ar e a tosse piorou, aí precisei ir ao hospital e para fazer teste e realizei até tomografia. Deu negativo para o Covid-19, mas positivo para outro vírus de influenza. De qualquer forma, achei que não ia conseguir ficar cinco dias trancada, mas a preocupação com os outros era maior que até passou rápido”.

Confira a Live aqui: