O guarda-roupa imposto pelo tempo de hoje

Rosângela Espinossi
Publicado em
Foto: Gustavo Arrais/Divulgação

Foto: Gustavo Arrais/Divulgação

 

Por Arlindo Grund*

O post de hoje não veio com dicas, mas sim, com uma reflexão dobre a moda e o nosso dia a dia. No ritmo frenético e acelerado que vivemos nos dias de hoje, muitas pessoas buscam na falta de tempo uma desculpa para não se vestirem bem ou adequadamente. O mais incrível é que elas não se dão conta dos erros que cometem. A maioria de nós quando abre o guarda-roupa pensa ou verbaliza aquela velha e conhecida frase: “hoje eu não tenho nada para vestir”. Mas, por que isso acontece? Será que não temos mesmo nada para vestir?

O fato é que entramos numa zona de conforto com relação à escolha das roupas que usamos. Homens e mulheres se acomodam diante da correria do dia a dia. É então que acontece um fato que não é exatamente um erro: você começa a repetir todas as roupas que tem certeza que ficam bem em você. Parece que cai um véu que te impede de enxergar as demais peças que estão em seu closet e que poderiam te dar ótimas e diferentes combinações.

Ao estar seguro de sua imagem, você automaticamente transmite maior credibilidade e uma postura mais adequada.

Hoje, a maioria das pessoas sai cedo para seus compromissos e só volta à noite, por isso, precisa estar adequada aos acontecimentos e aos imprevistos do dia. Sei que essa tarefa não é nada fácil, mas, a partir de minha experiência, comecei a entender que mais do que organizar o closet, é necessário gerir de maneira produtiva o seu tempo. Não pense que acordar cinco minutos mais cedo para decidir com que armadura irá enfrentar o dia te deixará mais cansado. Muito pelo contrário. Ao estar seguro de sua imagem, você automaticamente transmite maior credibilidade e uma postura mais adequada.

O mesmo acontece quando vamos comprar roupas. Experimentar uma peça de roupa é tão importante quanto saber usá-la. O número correto faz muita diferença no resultado final de seu visual.

Existe uma pesquisa que fala que os homens compram sempre números maiores por preguiça de provar, já as mulheres quase sempre compram uma numeração menor, na esperança de emagrecer. Um erro grave e recorrente. Então, entrar no provador e ver se aquela peça realmente fica boa em você faz muito bem para o bolso, pois torna a sua compra consciente e, além disso, sua imagem agradece.

Para driblar esse tempo louco, que às vezes nos impõe até as roupas devemos usar, é necessário ter um aliado bem próximo de você: o espelho. O que não é tão claro é o que devemos ver refletido ali. Mais uma vez ele, o tempo, é impiedoso. Olhamos para a imagem como um retrato 3X4. Em alguns momentos damos uma rápida olhada no geral e corremos. Quando o espelho vai te responder se você está bem ou não, você simplesmente quebra o “diálogo” e o resultado pode ser catastrófico.

Existe uma pesquisa que fala que os homens compram sempre números maiores por preguiça de provar, já as mulheres quase sempre compram uma numeração menor, na esperança de emagrecer. Um erro grave e recorrente.

Por isso, é fundamental conhecer bem suas características e, principalmente, saber o que você quer destacar e disfarçar em seu corpo. Dentro de todos os estilos terá sempre uma peça que vai cair bem em você, mas só é possível saber disso se conhecendo.

Então, a partir de hoje nada de olhar para o relógio. Chegou a hora de criar coragem e começar a se ver como você realmente é. Se desprenda do pudor, vá para a frente do espelho imediatamente e se analise. Veja o que você mais gosta, observe aquilo que te incomoda. Só assim você passará menos tempo escolhendo a roupa com que você vai trabalhar ou sair e, mais ainda, fará com que a moda deixe de ser um martírio. Aliás, assim como você dedicou o seu precioso tempo a essa leitura, faça o mesmo com a sua imagem.

* Artigo publicado no uol.com.br.

Arlindo Grund, apresentador do Esquadrão da Moda do SBT, consultor de moda e nosso amigo, dá dicas todas as semanas aqui no Elas No Tapete Vermelho. Veja mais conselhos do expert no site www.agrund.com.